quinta-feira, novembro 24, 2016

Porquê?

Se é da amargura que nasce a poesia, porque não é este texto um soneto?
Se é da tristeza que nasce a inspiração, porque não desliza a pena nos meus dedos?
Se é da dor que nasce a aprendizagem, porque não são sábias as palavras que escrevo?
Se é da desilusão que nasce a força, porque não levanto o mundo na palma da mão?
Se é das rasteiras da vida que nasce o engenho, porque não manobro o destino como se a mim pertencesse?


Se é do fim que nasce o começo, porque me prendo numa espiral onde fim não existe e princípio não há?

domingo, novembro 20, 2016

Tão simples

Pode uma semana em Albufeira ser melhor que três semanas a correr Itália?
Pode.

Pode beber um café na pastelaria da rua ser melhor que "aquele" brunch?
Pode.

Pode uma caminhada na marginal ser melhor que um passeio de descapotável na Côte D'azur.?
Pode.

Pode uma tarde no sofá ser melhor que uma visita ao Reina Sofia?
Pode.

Pode uma pedra encontrada na praia ser mais especial que uma pérola negra?
Pode.


Claro que pode. E é tão simples perceber porquê.

Hoje e Sempre

Hoje e Sempre: que não falte a luz do sol, a pureza da água, a força da terra e a leveza do vento.


Hoje e Sempre: que esteja connosco a protecção da lua, os desígnios das estrelas, a precisão de cada planeta, alinhado e cruzado no momento certo.

Hoje e Sempre: que não se perca a liberdade dos sonhadores, a certeza dos vencedores, a loucura dos apaixonados.

Hoje e Sempre: que haja um colo para nos receber, um ombro para nos apoiar, uma mão para nos puxar.

Hoje e Sempre: que sejam lidos todos os sinais, a paz encontrada em todas as decisões, que todas as incertezas permitam crescer.

Hoje e Sempre: que nunca falhe a fé num Bem Maior, a tranquilidade do Espírito Guia, a escolha do caminho da Felicidade.



Firme a cada passo ainda que insegura até poisar o pé no chão.


terça-feira, novembro 01, 2016

Esquecer



Já te esqueci.

Esqueci o teu cheiro. O doce aroma da tua boca. O cheiro intenso da tua pele.

Esqueci o teu toque. A força da tua mão. A leveza dos teus dedos.

Esqueci a tua voz. A firmeza do teu tom. A doçura do teu "bom dia".

Esqueci o teu olhar. A alegria do reencontro. A transparência do teu ser.

Esqueci o teu corpo. A beleza das tuas linhas. A perfeição dos teus defeitos.


Não perguntes como me lembro.