quinta-feira, março 02, 2006

Post instrutivo

Estou a fazer um trabalho sobre AVC's. Vejam lá a minha vida...
Ao menos está a servir para aumentar a minha cultura geral. É que isto dos Acidentes Vasculares Cerebrais tem muito que se lhe diga...
Fiquei a saber que os AVC's podem ser isquémicos, quando o bloqueio de um vaso sanguíneo ou de um artéria impede a corrente sanguínea de atingir o cérebro, ou hemorrágicos, quando existe uma ruptura do vaso sanguíneo provocando um derrame. Nos dois casos é uma grande chatice porque pelos vistos precisamos mesmo que o sangue circule. É o que dizem... E se isso não acontecer corremos o risco de que as células privadas do sangue e de tudo o que ele transporta morram. O que também é uma chatice porque me lembro muito bem da Professora Amélia, minha instrutora primária, me dizer que as células cerebrais não se renovam... Depois de mortas nada a fazer... (Isso explica muita coisa...)

Mas há mais... Existem factores de risco modificáveis (hipertensão, diabetes, colesterol, doenças cardíacas, obesidade, sedentarismo, tabaco e álcool em excesso) e não modificáveis (idade, sexo, raça, genética e antecedentes familiares).
Depois desta última parte fiz a minha leitura: ok, podemos tentar evitar ficar com a famosa boca ao lado deixando de fumar, fazendo exercício, não bebendo... mas o risco continuará a aumentar com a idade, os homens continuam a ser mais afectados,tal como a raça negra, e se estiver escrito na nossa genética que vamos ter um AVC.... não temos hipótese. Hum... Dá que pensar.

Mas a parte mais interessante e até mais importante para quem quer que seja que tenha chegado até esta linha é a identificação dos sintomas. Ou seja, estejam atentos porque se um amigo estiver nas seguintes circunstâncias ele está a ter um AVC e não a ser idiota:
-fraqueza ou adormecimento de um membro ou de um lado do corpo;
-formigueiro de um lado do corpo ou de um membro;
-dificuldade de movimentação, tonturas ou perda de coordenação e de balanço;
- alteração da linguagem (dificuldades na fala) e incapacidade de compreensão (não conseguir entender o que é dito);
- Perda de visão num olho ou em ambos;
- Dor de cabeça súbita, seguida de vómitos, sonolência ou coma;
- Perda de memória, confusão mental e dificuldades para executar tarefas habituais.

Dizem os entendidos que na presença destes sintomas devemos ligar imediatamente para as emergências. O problema é se é falso alarme. Está bem que se um amigo nosso entrar em coma, é fácil de perceber que não estará muito bem. Mas há outros sintomas mais dificeis de distinguir. A alteração na linguagem, pr exemplo. Quem é que nunca ouviu um amigo falar de maneira enrolada depois de um copito a mais?Ah pois é. O que é que se faz nesta altura? Corre-se o risco, "ah... isto é do vinho". E se não for? Pois...
E a incapacidade de compreensão? Já foram aos correios, às finanças? Eu normalmente apanho sempre alguém com manifesta dificuldade em me compreender. A partir de agora sempre que me dirigir a uma repartição pública vou estar em constante agonia: "é um sintoma de AVC ou estupidez?"
Tudo isto é muito complexo...
Eu cá acho que às vezes mais vale ficar na ignorância. Assim não corremos o risco de chamar uma ambulância pensando que o nosso amigo está a ter um AVC quando de facto ele não vê de um olho porque acabou de lá enfiar um dedo.

2 comentários:

Jordan disse...

E excesso de trabalho??
Não dá isso?
Tou-me a passar :P
São 18h15 e só agora eke estou a lanchar!
E tu sabes bem como eu prezo a hora do lancheeeeeee!

Incógnito disse...

Ai, ai! Eu tenho muitos desses sintomas... ou melhor: tive! Porque seria? Se bem me lembro, estava eu a trabalhar para a ETA...